Como fazer um processo seletivo público e diverso

Tempo de leitura: 2 minutos

Objetivos

. Realizar processos seletivos capazes de absorver múltiplas capacidades

. Ampliar a diversidade dentro da equipe da organização

. Fazer processos seletivos mais transparentes

Referência

A Marco Zero Conteúdo é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, baseada no Recife, em Pernambuco. Com o objetivo de qualificar o debate público e promover o jornalismo investigativo e independente, a Marco Zero aposta na produção de reportagens e conteúdos que exponham as relações de poder, com destaque para pautas invisibilizadas pela mídia tradicional. Desde a sua fundação, o coletivo realiza processos de seleção públicos, por meio de editais divulgados nos canais da instituição, como uma forma de realizar contratações com perfil mais diverso e alcançar pessoas que, de outra forma, não participariam da seleção. Entre os anos de 2017 e 2021, já foram três seleções realizadas dessa forma pela Marco Zero.

Resultados

. Alcançar e contratar pessoas fora do círculo de convívio dos integrantes do coletivo

. Ampliar a diversidade entre os integrantes da equipe

. Construir uma metodologia de contratação de pessoas baseada na diversidade

Como medir

. Número de pessoas inscritas e perfil dos selecionados

. Diversidade de pontos de vista e formas de construir um conteúdo na equipe

Passo a passo

Diversidade. Um processo seletivo público, feito a partir da divulgação de um edital, ampliará as chances de a sua organização receber currículos de pessoas diversas. No jornalismo, sobretudo considerando que os processos de contratação normalmente se dão por indicação, essa é uma forma real de ampliar a diversidade na redação.

Construir um edital. Para fazer um processo seletivo público, você precisa elaborar um edital com todos os critérios e passos necessários para a inscrição. O edital deve descrever a quantidade de vagas, remuneração para cada uma, as funções, pré-requisitos e qualificações desejadas. É sempre importante, ao pensar em uma contratação diversa, não ser restritivo com os pré-requisitos, como exigir domínio de outros idiomas que não o português ou experiências prévias específicas. No caso da Marco Zero, eles também solicitam uma carta intenção e mostra de trabalhos anteriores. Os três editais divulgados pela Marco Zero podem ser vistos aqui: 2017, 2019 e 2021.

Equipe disponível e tempo. Um processo seletivo público poderá gerar uma alta demanda de currículos e inscrições, por isso é preciso destinar um tempo para avaliar cada inscrição com calma e atenção. O ideal é também envolver parte da equipe, de preferência pessoas com perfil diverso e aquelas que irão trabalhar diretamente com a contratada ou o contratado. Na Marco Zero, por exemplo, são feitas pelo menos três reuniões com a equipe. 

Entrevistas. Depois de selecionadas as pessoas que passam para a próxima fase do processo seletivo, as entrevistas podem ser feitas por vários membros da equipe. Na Marco Zero, são cinco pessoas que participam do processo. 

Política de acolhimento e inclusão. Não basta apenas fazer um processo de seleção pública pensando na diversidade, é preciso desenhar e implementar uma política de inclusão, que valorize os conhecimentos, vivências e experiências das pessoas contratadas. Esses parâmetros de acolhimento devem ser definidos antes do processo seletivo e não ser uma consequência dele.

Processo. A seleção pública deve ser só uma parte de um processo mais abrangente, a diversidade deve estar espelhada nos conteúdos produzidos, nas relações pessoais dentro da organização e na gestão. A diversidade precisa ser mais qualitativa, não só quantitativa. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Skip to content